Resenhando: Koi wa Ameagari no You ni

Oi, pessoal! Felizmente essa semana eu terminei bem cedo a leitura do mangá, então pude descansar bastante e não fazer nada apressado (no quesito do blog). Atualmente estou com planos para o blog também então talvez tenhamos mudanças em breve.

Se você chegou neste post lá do Amino, parabéns e bem-vindo! Aproveite o blog, entre no Discord também e seja feliz.

A leitura de hoje é de um mangá que foi adaptado para anime nesta temporada, mas não me interesso pela adaptação então nem esperem comparações.

Informações

Título original: 恋は雨上がりのように
Tipo: Mangá
Volumes e capítulos: 6 volumes e 48 capítulos online, 9 volumes PdO
Status: Andamento
Demografia: Seinen
Gêneros: Drama, comédia, romance, vida escolar, slice of life
Mangaká: Mayuzuki Jun
Ilustração: Mayuzuki Jun
Ano: 2014
Editora Japonesa: Shogakukan
Revista Japonesa: Big comic spirits e Gekkan! Spirits
Link do mangá no Anime-Planet

Sinopse

Akira é uma adolescente bem séria e focada em seus desejos. Antes ela fazia parte do clube de corrida, mas depois de um ferimento grave, ao invés de seguir com um tratamento para voltar a correr, ela prefere passar seus dias trabalhando em um restaurante de família, onde o foco de sua ambição é seu chefe, um cara nada extraordinário de 45 anos.

A vida pelos olhos de uma jovem

Não que muitos mangás não sejam a vida pelos olhos de jovens, mas com esse mangá a pegada é mais embaixo, digamos assim.

A primeira vista pode parecer que se trata de um mangá sobre uma adolescente de 17 anos muito séria que se apaixonou pelo seu chefe de 45 anos, mas quando você começa a leitura, já vai notando que esse sentimento que ela tem, apesar de forte e resistente por 48 capítulos, não é o foco da história. Na verdade, a história vai acompanhando o que Akira, a partir deste sentimento forte de amor pelo seu chefe muito mais velho, vai acabar descobrindo e desenvolvendo em sua vida cotidiana, com relação a ela mesma, seu chefe, colegas de trabalho e escola, muitas coisas que ela não compreendia ainda ou nunca pensou que iria experienciar e por isso essa leitura passou para mim a sensação de que aquele amor que ela nutre, que se pronuncia imediatamente impossível vai moldando uma nova Akira Tachibana que vai crescer de diversas formas (que eu não vou spoilar ;)) e por isso a leitura desta obra se mostrou muito mais emocionante do que aparentou a primeira vista.

Se é preciso explicitar alguma parte da leitura vertical que eu absorvi, é uma noção que todo mundo um dia vai ter, alguns bem cedo e outros tarde demais, de que o mundo é um lugar onde nada do que tu quer vai ser exatamente como tu deseja, mas mesmo assim é preciso seguir em frente, se permitir ser moldado pelas experiências, se permitir mudar de ideia, ter medo, sentir vontades e lidar com essas coisas no seu tempo, mas nunca sem fugir. Claro que vocês podem ter outras reflexões com essa leitura.

Os personagens num geralzão danado não são muito profundos ainda. Tirando Akira, não conhecemos bem quase nenhum deles, sabemos apenas suas intenções superficiais e sua vida no trabalho/escola, mas o roteiro está rumando para momentos mais profundos focados em cada um deles e como isso vai afetar o grupo no geral, o que eu julgo excelente já que assim o leitor pode se concentrar em poucos personagens por vez e decidir seus pontos positivos e negativos e sua afeição por ele. No início temos o momento do foco do passado de Tachibana e como ela vai lidar com o que perdeu ao mesmo tempo que sacrificou algo que ama por achar que não pode fazer duas coisas que ama ao mesmo tempo (é confuso, mas é assim mesmo). Sinto que logo vamos poder contemplar um pouco mais dos outros personagens. Quanto ao chefe dela, estamos chegando mais perto das maiores revelações dele, mas é um personagem com construção simples, que poderia ser qualquer um numa sala cheia de pessoas, que pode te lembrar um primo ou um tio ou aquele cara que tu viu uma vez na vida, mas te deixou uma impressão forte, mesmo que seja negativa.

O traço do mangá não é o ideal de uma história sobre uma garota apaixonada e seu mundo e aí que entra um pouco da demografia seinen. Não existe um grande sugarcoat em sua vida e o traço ajuda a mostrar uma realidade muito mais palpável. Sem muito mais a declarar sobre isso, encerramos com um traço limpo, agradável e principalmente convincente.

Talvez eu tenha acabado essa resenha bem na parte boa, mas a intenção é que vocês rasguem as cortinas fermentando sobre esse mangá na cabeça de vocês e assim, leiam mais uma obra na sua vida (mesmo que eu tenha meio que torturado vocês).

Se é uma visão mais tranquila e realista da vida e do amor que você aí querido devorador procura, então vai sem medo. Talvez esse mangá te ajude, como muitos outros podem, mas com certeza vai te fazer se emocionar e dar boas risadas.

Até a próxima, devoradores!

Esta entrada foi publicada em Mangá, Resenha, Resenhando e marcada com a tag , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.