Resenhando: A cidade da Luz (Hikari no Machi)

Olá, devoradores! Essa semana vou contar a minha experiência com a leitura de A cidade da luz, do tão conhecido Inio Asano. Eu recentemente adquiri a edição brasileira dessa obra e resolvi então falar dela.

Inio Asano é um cara que explora muito a natureza humana e outros termos chiques, mas eu acredito fielmente que o contato com a parte mais profunda da história é uma experiência muito íntima e não quero acabar influenciando alguém a qualquer coisa com o que escrevo, pois não quero destruir uma experiência que pode ser legal, especialmente com autores como o de hoje, então não esperem que eu bote mangá no divã e mande ver (mas quem me conhece nunca espera isso mesmo ;)).

Informações

 

Título original: ひかりのまち
Tipo: Mangá
Volumes e capítulos: 1 volume
Status: Concluído
Demografia: Seinen
Gêneros: Drama, psicológico, slice of life
Mangaká: Asano Inio
Ilustração: Asano Inio
Ano: 2004
Editora: Shogakukan
Serializada em: Sunday GX
Editora Brasileira: Panini
Preço: R$ 13,90
Link do mangá no Anime-Planet

Sinopse

Em um lugar chamado de “Cidade da luz”, a história de diversas pessoas se desenrola em seis capítulos. Histórias trágicas e pesadas que possuem muito ou pouco a ver umas com as outras.

Raios de Sol e corações escuros

Quero começar pelo fato de termos esse autor no Brasil e o quanto é importante que esse tipo de obra seja publicado aqui. Não pelas mensagens que venha a passar aos leitores, um pouco pela sua fama da complexidade, da sensorialidade que suas histórias contém, mas principalmente pela necessidade de mais seinens psicológicos de qualidade. Alguns autores, temos que admitir, fazem uma salada no estilo Asano e no final fica nada por nada e você fica tentando entender algo que nunca teve a intenção de ser compreendido e a experiência pode se tornar desagradável. Geralmente ao lermos alguma coisa com substância como esses autores no estilo de Asano, vivenciamos a leitura com outros sentidos, vemos muito além do que temos em mãos, somos levados a experimentar muito mais do que nossos olhos podem captar e quando esse tipo de leitura é interrompida ou até corrompida de algum modo, o leitor fica com a cicatriz de um trauma. Claro que uso palavras bem dramáticas, mas acho importante que exaltemos o quanto essas obras agregam pra nós. Se você leitor do blog é imersivo como eu, sabe do que estou falando melhor do que os outros, afinal, também é algo muito difícil de explicar.

O fator principal que me faz gostar das obras de Asano é como eu fico afetada pelas suas criações. Apesar da trama necessitar de mais foco do leitor e uma bagagem aqui e ali não fazer mal, me refiro mesmo a carga de sentimentos e sensações que Asano nos faz experimentar (acho que deixei bem claro né? haha). Perdão por ficar repetindo isso, mas é uma das coisas mais importantes da minha experiência com esse autor.

A cidade da luz apresenta diversos personagens com vidas diferentes, mas que de alguma forma se entrelaçam. Ela também mostra que às vezes os atos mais violentos e imorais tem um fundo justificável. Não que nos peça para concordar com isso, mas aceitar sim. Nos faz entender de um modo até meio macabro que coisas como rir, chorar, matar e morrer são corriqueiras demais e que entre essas quatro não existe uma diferença de valores, ou seja, são coisas normais pelas quais todo mundo um dia pode passar, sentimentos e ações esperadas da natureza humana.

Ainda que de modo breve, essa obra nos mostra dois lados de muitos personagens, suas motivações e até um pouco do desenrolar de seus dramas, mas como é Asano que estamos falando aqui, não podemos esquecer daquela pitada sobrenatural, que dá as caras para encerrar a história de modo que possa parecer um pouco aleatório para alguns, mas é apenas mais um caso dessa cidade banhadas em raios de Sol.

A arte é agradável. Asano é um autor com seu traço quase imutável, tremendamente característico e cativante, deixando a sua realidade levemente exagerada que remete a algo cru nos atos de seus personagens ainda mais realista. Gosto de poder identificar bem um mangaká pelo seu traço.

Abaixo vocês podem conferir minhas opiniões sobre a edição Brasileira de Hikari no Machi! Hoje foi complicado fazer o vídeo por falta de local com iluminação melhor, minha paciência por estar exausta do trabalho e muita dor na boca.

Espero que tenham curtido a minha resenha dessa obra que eu nem consigo pensar em algum adjetivo para agregar. Leia, viva a sua leitura e depois me conta essa experiência!

Esta entrada foi publicada em Sem categoria e marcada com a tag , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.