Clube do Terror: [Visual Novel] Corpse Party: Book of shadows

Olá, povo que adora terror tanto quanto eu! Enquanto eu vou lendo mangás aqui e ali, devo admitir que estou bem interessada em visual novels e eu sempre quis jogar Corpse Party, desde a época que eu fundei o scan com uma amiga e um dos nossos projetos se tornou o mangá principal de Corpse Party. Hoje em dia eu também procuro adquirir todas as edições físicas lançadas pela editora newpop linda e cheirosa, mas também comprei os jogos na Steam e decidi que é a franquia perfeita para eu começar essas resenhas de VNs. Essas postagens não tem muita diferenciação do padrão, eu continuo evitando spoilers e não descrevo em detalhes os personagens para que o leitor/jogador possa se deliciar com sua descoberta da obra ou jogo.

Escrever sobre Corpse Party me deixa tremendamente ansiosa por amar muito essa franquia e quando falo sobre obras e jogos que amo eu geralmente acabo falando menos e deixando de fora muita coisa que eu penso e bolo na hora de psicografar esses textos, então se sentirem uma afobação (Se bem que ninguém sentiu até hoje haha) saibam que…não tem nada que eu possa fazer!

Também gostaria de falar aqui e agora no início da postagem sobre duas coisas: vocês podem me seguir no instagram se quiserem, mas não tem nada de mais lá porque eu não consigo ficar fazendo storie ou postagem, mas eu estou tentando e meu @ é purrrrplecat então se quiserem ver meu instagram paradão, cola lá! Outra coisa também é que eu vivo num lugar chamado discord. Adoraria viver em outros locais como fóruns maneiros, mas eu esqueço de aparecer, já o discord danado ta sempre aberto aqui 😛 eu sou adm de um servidor muito legal chamado Eastern Union, se quiser o link só confere no site no menu lateral direito (o único menu lateral, sem erro) e bora conversar, disputar waifus na mudae bot, jogar algo ou só ficar num silêncio constrangedor juntos. O servidor é de um amigo e estou ajudando ele porque toda vez que faço um meu o negócio não vinga (pelo mesmo motivo dos stories no instagram), então eu prefiro ajudar num servidor pequeno que eu gostaria de ver crescer.

Ok, chega de merchan, vamos pro que interessa!

Informações

Título original: コープスパーティー ブックオブシャドウズ
Duração: 10~30 horas
Desenvolvedores: Team Gris e 5pb. games
Empresa localizadora: XSEED Games (para EN-US)
Relações: Corpse Party Blood Covered (prequela), Corpse Party: Blood Drive (sequência), Corpse Party -The anthology- Sachiko no Ren’ai Yuugi♥Hysteric Birthday 2U (mesma série).
Plataformas: PSP, iOS, Windows (GOG e Steam)

Sinopse

Seja em universos alternativos ou no universo canon, os alunos da academia Kisaragi, Byakudan Senior, Paulownia e da escola de ensino fundamental Musashigawa viveram momentos de mais puro terror, mergulhados em medo e desespero dentro da dimensão alternativa que tomou a forma da escola elementar Tenjin, mas como os eventos se desenrolariam se os envolvidos tivessem uma estranha impressão que já sabem como tudo vai acabar? Seriam as mortes realmente evitadas? É possível que através dos eventos previstos, alguns estudantes conseguiriam salvar amigos queridos? E por outro lado, qual a relação de Naho com a escola amaldiçoada e como ela conseguiu entrar no local? Qual era a relação de Tohko com Kizami e como tudo terminou em um banho de sangue cruel? Qual é a misteriosa conexão da professora Yui com esse local antes mesmo de se tornar uma professora? E claro, a pergunta mais imaginada na mente dos jogadores da franquia: O que aconteceu com os alunos sobreviventes após retornarem? Como o mundo e eles reage a perda de seus amigos?

O que significa que Sachiko e Ayumi possuam o mesmo sobrenome o que é o book of shadows?

Todos os segredos são revelados em Corpse Party: Book of shadows se você sobreviver para testemunhar o desenrolar desses eventos!

A persistência do destino

É sempre difícil falar das coisas sem spoilar algumas pequenas partes, por isso eu já vou avisando que se tu nunca jogou ou leu corpse party blood covered, pode ler esse post só de curiosidade, mas o jogo é uma espécie de re-run dos eventos do jogo com algumas poucas mudanças e alguns cortes, ou seja, a história dos personagens principais do primeiro jogo, os estudantes da academia Kisaragi, não está tão em foco quanto o primeiro jogo, mas eles fazem parte sim, só não teremos um jogo totalmente focado em suas vidas e mortes. Após testemunharmos a tentativa de Naomi de salvar sua melhor amiga Seiko do fim inevitável, repetimos partes das histórias dos mortos do primeiro jogo mas com uma visão diferente e um desfecho que por incrível que pareça, consegue ser mais sangrento e cruel que o primeiro. Enquanto o jogo em grande parte repete a história do primeiro, o jogador pode acompanhar outros pontos de vista do primeiro grupo e também conhecer toda a história trágica dos outros frequentadores dessa escola tenebrosa.

Esse novo olhar sobre a mesma história apresentando coisas novas na questão de background e alguns eventos que não são mostrados no primeiro jogo fazem Book of Shadows valer muito a pena. Essa autora que lhes escreve e se assusta facilmente, se encontrou totalmente absorvida mais uma vez pelos corredores macabros da escola Tenjin, feliz de repassar os momentos mórbidos do primeiro jogo com uma nova visão, novas chances e claro, um bando de novos finais errados. Ao contrário do que se possa pensar, é tremendamente satisfatório e envolvente jogar o segundo jogo da franquia, mesmo com uma certa repetição de alguns eventos mortais. Uma das coisas mais interessantes é a noção que os personagens tem de estar revivendo seus talvez últimos momentos.

Apesar de BoS usar essa espécie de revival no que diz respeito ao roteiro, o visual do jogo muda um pouco. Vemos backgrounds estáticos dessa vez, nada de cenários inteiros em 8-bit, mas sim desenhos que às vezes possuem certas mudanças de acordo com o andar da carruagem, mas os personagens aparecem em miniatura no mapa ainda em 8-bit.

Quanto a jogabilidade, ela difere um pouquinho já que não se pode andar pelo cenário de fato, mas sim puxar um mapa lateral e escolher em qual quadradinho seguir, com as salas sendo quadrados azuis com seus respectivos nomes. Sair andando a torto e a direito pode render finais errados, mas ajuda muito na localização dos cadáveres para a coleção de nomes, um dos principais colecionáveis do jogo e parte dos achievements dele (que por sinal eu sempre tenho preguiça de voltar e refazer, pegando só os mais importantes que depois se tornam indisponíveis), em contrapartida torna a aquisição dos nomes mais difícil e trabalhosa pelo fato dos cadáveres não aparecem sem conferir aquele quadrado e muitas vezes certos corpos só aparecem em decorrência de certos eventos. Ainda temos que juntar itens nas salas, mas a navegação pelos cenários não deixou de se tornar tenebrosa não! Os frames são rápidos em aparecer do nada e os cenários tem um belo traço digno de terror para já nos deixar na corda bamba. Nesse jogo é necessário “viajar” pelo cenário após entrar no seu quadrado pelo mapa e basicamente apontar e clicar para achar coisas e conferir cadáveres. Outra coisa diferente é o medidor de darkening. Se lembra daquele evento onde a Ayumi se torna corrompida pelo alto teor de malícia na escola? Então, agora temos um medidor que vai aumentando sua % conforme certas coisas nada vivas ou saudáveis são conferidas. Alguns eventos do jogo só ocorrem com sucesso (ou falham miseravelmente a caminho de um final errado) com uma certa % de darkening.

A trilha sonora é mais do que digna, afinal, Corpse não pode deixar de ter músicas horripilantes e maravilhosas, orquestradas para tirar o jogador de seu eixo, perturbando-o conforme a atmosfera dessa escola pede. A abertura do jogo é fenomenal e claro que combinado com a música, que tem uns 50% de participação em criar a atmosfera e envolver o jogador, não podemos esquecer dos incríveis seiyuus. Em BoS podemos matar a saudade das vozes adoráveis dos seiyuus do primeiro jogo com adições de novos seiyuus para os personagens que não tinham falas antes por vários motivos. A atuação deles é per-fei-ta. Totalmente crível, incluindo os sons mais perturbadores que se faz a beira da morte e toda a loucura que pode atingir nossos queridos estudantes. Dessa vez vou deixar vídeos da abertura e alguma música de fundo para vocês, mas antes de encerrarmos gostaria de dizer que felizmente aquele esquema de som 3d, onde é possível ter a exata sensação de sons as suas costas, sussurros na orelha direita e etc foi mantida nesse jogo, fechando com ouro todo os elementos essenciais para um jogo de terror!

Por fim, se vocês acham que o jogo acaba na escola…preparem-se para um final maravilhoso e emocionante que já dá a abertura para o último jogo da saga da escola Tenjin: Corpse Party Blood Drive! Atualmente estou jogando no celular e logo teremos aqui no site minha experiência com esse jogo! Antes de ir só quero dar uma dica: Jogue o Blood covered antes de book of shadows, apesar de não ser obrigatório, a imersão no segundo jogo ajuda e muito com os fatos do jogo anterior, incluindo todas as partes que ficam de fora do segundo e quem tem o save do primeiro libera um capítulo extra depois dos acontecimentos da escola também (que pode ser liberado fazendo todos os finais verdadeiros também).

Como um extra, aconselho conferir o live action e rir muito!

Vejo vocês na próxima postagem!

Esta entrada foi publicada em Clube do Terror, Resenha, Visual novel e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.